A Revolução?

abril 26, 2010

micronovel

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 3:10 am

Hedone a micronovel

by Erica Alves

Chapter 1

A much-awaited talk cruising in the wide, baby blue station wagon. A feeling, a splendid sensation of levitude, sweet sighs and drunkish laughter, oh! That marvelous laughter!… which is more of a consequence than a must, the kind that escapes accidentally when we’re distracted, that thrilling, sneaky smile in the corner of your mouth  just delightfully impossible to hold in. Everything smells like flowers, even the acrid smell of the end of a summer day; it turns into the pungent, musky aroma of humidity, the air like a marvelous rich Indian chai, made fresh from the herbs that grow wildly about and spend all day infusing in tiny, microscopic drops of floating water; an herbal breeze brewed by the heat of the tropical sun. The open window let some cool in, and the words just floated out of their mouths, simply conjured by chance and whatever may relate to chance.

Chapter 2

“It’s so bizarre to notice how life changes. These decisions we make that seem so regular, so natural at the time, lead into a range of happenings over which we hardly have control. To think that I might have chosen not to visit, I might not have become such a dreamer.”

Chapter 3

Flashes of moments together, sudden secret chuckles. Blush.  A look at the time. A feeling of easy, slow relief. Deeper and deeper relief.

Chapter 4

It’s so wonderful –  this feeling of unattached attachment. To actually live the stoicism mankind has always dreamed of. To absorb all the pleasure and not question its signals, not question the impulses. Yes. This is it. It’s good to always remember that this the way to handle falling in love. Seize the moment! I’m still independent from him. This is how happiness is and should feel like…

Chapter 5

however…

sigh…

Chapter 6

we all know that the real good thing is just helplessly giving in completely, simply letting yourself fall lightly into the soothing warming arms of absolute comfort, sinking slowly into an awe-some nap, soaking-wet in ecstasy… you know, just waking up, going out to “do-whatever-ya-gotta-do” and running back home into the capsule, just living off of being together; feeding off this ever-embracing mana…  Now, that’s the real good thing.

THE END

Anúncios

março 27, 2010

the REAL good thing

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 1:03 am

A much-awaited talk cruising in the wide, baby blue station wagon. A feeling, a splendid sensation of levitude, sweet sighs and drunkish laughter, oh! That marvelous laughter!… which is more of a consequence than a must, the kind that escapes accidentally when we’re distracted, that thrilling, sneaky smile in the corner of your mouth  just delightfully impossible to hold in. Everything smells like flowers, even the acrid smell of the end of a summer day; it turns into the pungent, musky aroma of humidity, the air like a marvelous rich Indian chai, made fresh from the herbs that grow wildly about and spend all day infusing in tiny, microscopic drops of floating water; an herbal breeze brewed by the heat of the tropical sun. The open window let some cool in, and the words just floated out of their mouths, simply conjured by chance and whatever may relate to chance.

“It’s so bizarre to notice how life changes. These decisions we make that seem so regular, so natural at the time, lead into a range of happenings over which we hardly have control. To think that I might have chosen not to visit, I might not have become such a dreamer.”

Flashes of moments together, sudden secret chuckles. Blush.  A look at the time. A feeling of easy, slow relief. Deeper and deeper relief.

It’s so wonderful –  this feeling of unattached attachment. To actually live the stoicism mankind has always dreamed of. To absorb all the pleasure and not question its signals, not question the impulses. Yes. This is it. It’s good to always remember that this the way to handle falling in love. Seize the moment! I’m still independent from him. This is how happiness is and should feel like…

however…

sigh…

we all know that the REAL good thing is just helplessly giving in completely, simply letting yourself fall lightly into the soothing warming arms of absolute comfort, sinking slowly into an awe-some nap, soaking-wet in ecstasy… you know, just waking up, going out to “do-whatever-ya-gotta-do” and running back home into the capsule, just living off of being together; feeding off this ever-embracing mana…  Now, that’s the REAL good thing.

março 22, 2010

May we unite?

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 3:38 pm

“War kills culture and separates.
Only in a world without war can we unite.
May we unite?”

A guerra mata a cultura. A guerra segmenta. A guerra separa. A guerra discrimina. A guerra fragmenta. Matamos o outro pois não suportamos sua existência. O outro. A cultura do outro. A visão de mundo do outro. A totalidade do outro. A guerra distrai, e trai. Deixa um povo sem deus, sem união, sem família, sem fé. Cultura não seria uma manifestação da união? E depois do rompimento, pode existir cultura?

O que é cultura senão qualquer manifestação de um povo? O que é arte senão a manifestação da visão de um povo através das ferramentas utilizadas por aquele povo? O que separa “cultura”? O que faz dela um segmento aparte?

Cultura parece um nome técnico para arte hoje em dia. Como se fosse um jargão geral que faz colocação com palavras do tipo: “captação de recursos”, “acionistas”, “público alvo”, “indicadores”, etc.

Pergunta:  seria uma necessidade de um povo, que se diferencia do outro através da ferramenta guerra, se expressar, se colocar no mundo, explanar sua visão, sua “cultura” para que seu ponto de vista seja uma referência? A sua cultura se tornar algo global? Os próprios meios de se divulgar essa cultura, seriam também partes dessa cultura? Será que cultura  embarca tudo, ou ela é uma categoria cuidadosamente construída para servir de alavanca para uma “dominação” e “manipulação” dos povos derrotados?

O que acontece com a cultura em tempos de paz? O que acontece depois do turbilhão? Seria um post-mortem da cultura, esse método (patrocínio, produção, organização de eventos culturais), ou apenas uma nova maneira de pensá-la e estruturá-la? Seria isso um salto evolutivo ou uma pequena morte a cada dia?

Nossa descrença e desilusão seriam em si uma crença e uma ilusão? A ciência é uma religião? A produção cultural seria nossa cerimônia bacântica? O dinheiro, nossa fé que nos move? O capitalismo, nosso templo? O teatro,  a música, o cinema, as artes plásticas, nosso culto?

Essa nova cultura estruturalizada, segmentada, será que atinge uma união? Como podemos buscar a união através de um mercado de nicho? Se cultura é união, como ela pode estar tão longe disso?

Ou  será que a desunião de alguma forma nos une?

março 17, 2010

longing for belonging

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 9:29 pm

(Melancolia, cabaret, piano, breathy sax and jazz kit, flauta, sininhos, baixo Air, Paris, bêbados, cigarros, uísque com guaraná, etc…)

Don’t let me in, don’t let the fire breathe in,
don’t let me out, because there’s nothing to worry about.

Clock full of time, road full of way to help us tread the day,
Pain from the heart, pane from the window that just sadly looks about.

Make me a clown, make me a merry fantasy.
Create all the joy, the joy, the joie de vivre of my tiny little choice.

White, mellow down my mind,
find out my little rhyme,
the one I sang when all was still… behind me

fevereiro 2, 2010

No caminho da exclusão

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 2:50 pm

É uma grande curiosidade pensar que em pleno século XXI as pessoas ainda acreditam que a evolução e o progresso trazem democracia, igualdade e oportunidades iguais. Do jeito que a indústria cultural caminha, vejo cada vez mais crescimento, patrocínios e parcerias, e vejo cada vez menos oportunidade para os artistas de expressarem para um público maior, sempre em favor de uma projeção cada vez maior de artistas consagrados.

Pensar a coletividade é pensar a inclusão. É travar diálogos, trocar idéias, criar oportunidade de cruzamento de público, e não compartimentalização e separação. Acredito que o grande obstáculo da coletividade é realmente se tornar coletivo, e que todos participem,  sem hierarquia.

Espero que isso possa existir, e que o poder não fuja das nossas pequenas mãos, pois já estamos por um fio.

O artista precisa se conscientizar agora mais do que nunca.

fevereiro 1, 2010

what do you do?

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 11:31 pm

what do you do when there’s nowhere else to go,

no one to turn to,

nothing to say?

if there is a shining light somewhere,

may it be so bright as to illuminate what’s left behind

so white it blinds

and erases

and forgives

and endures

in peace.

==========================

february’s here, just under our noses, waiting to attack, the weapon of time, insatiable, gnawing and gnawing to the very bone, the very medulla,  the spirit of life.

=====================================

find some other way to tread, some other path to trail, some other road to stalk, some other tube to slide,

another brain to fill, another hand to twist and torture and beat and break and …

point to a direction safe from turmoil, trace in the air with your pinkie finger the letters that spell your secret middle name, that one you must carry in your  permanent file,

the pregnant stare in your face when you’re distracted

watch out

it tells all.

===================

it’s just a house,

a burrow for humans,

a nest of concrete,

decorated with trinkets of a long lost future,

there is still hope in the birds.

=======================

once upon a spike i was a little girl who believed in feathers and the comfort of breathing underwater.

oh, the pleasures in life that creep up on you when you least expect to remember you’ve forgotten them.

dezembro 11, 2009

A indústria cultural e a cultura do-it-yourself, antagônicas ou casamento perfeito?

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 8:18 pm

 Nos últimos 30 anos percebemos um grande movimento de arte independente, seja nos ramos da música, da moda, do teatro, e outros setores da indústria cultural. O objetivo deste trabalho é analisar o fenômeno da cena independente de música surgida nos anos de 1990 e os porquês de sua força e tamanho. Para isso faremos um panorama histórico da indústria musical tomando como base os textos de Yúdice (2004), Adorno & Horkheimer (2002) e De Marchi (2006) e na minha experiência profissional e pessoal de integrante e administradora de uma banda independente e participante do coletivo de bandas independentes Arariboia Rock.

As pessoas sempre sentirem a necessidade de se expressar. É tanto que as formas artísticas diversas, quaisquer que sejam, são de fato muito antigas e atravessam as inúmeras culturas mundiais. Porém percebemos que essa expressão por um bom tempo esteve dividida, pelo menos na história da Europa, em alta cultura, dos cultos e estudiosos, e baixa cultura, do povo (Adorno, 2002). A partir do momento em que a burguesia ascendeu ao poder com a revolução industrial e padronização e produção de tecnologias em série, pode-se criar uma indústria cultural consumível. Por exemplo, a invenção da imprensa no século XVII, por Gutenberg, levou ao fenômeno do romance do século XIX, um produto comercializado e de aspecto cultural, sendo reproduzido em larga escala e consumido em massa. Isso levou à junção da alta cultura com a baixa. Isto é, o povo passou a ter acesso à educação artística e musical por meio das escolas e conservatórios que ensinavam a alta cultura, e os artistas da alta cultura viram-se inspirados com a cultura popular e começaram a incorporar aspectos da cultura popular à sua arte. Essa junção de uma coisa com a outra, por ambos os lados, inserido no contexto do capitalismo, abriu espaço para a música popular (de natureza erudita ou não) comercializada, seja através de concertos abertos ao público por meio de compra de ingressos, ou posteriormente com a gravação de discos e a indústria fonográfica. A burguesia, através da tomada do poder com a república e, com isso, a ascensão do modo de vida burguês, com suas ferramentas e modos de produção, contribuiu para a criação do produto cultural. Com a consolidação do capitalismo essa produção se sujeitou às necessidades do mercado.

Por boa parte do século XX, principalmente nos Estados Unidos, a indústria musical esteve nas mãos das gravadoras. Desde o processo de “caçar talentos”, arranjos, produção artística, empresarial e executiva, gravação, distribuição, publicidade, assessoria, relações públicas, etc., tudo estava sob controle das gravadoras. Esse controle sobre a obra artística era tanta que o artista ou o compositor em si pouco tinha direito sobre sua própria obra, isso devido ao estabelecimento das leis de propriedade intelectual (Yúdice, 2004) e até de sua imagem e comportamento perante a imprensa. O artista passou a ser um fornecedor de conteúdo e o resto do trabalho artístico era desenvolvido em linha de produção.

Para captar novos ouvintes e consumidores de música, criou-se o mito do artista-celebridade. Com os recursos da imprensa e das relações públicas, criaram-se muitas celebridades musicais que mais se apoiavam na sua imagem do que na expressão musical. A beleza física e as roupas utilizadas se tornaram partes integrantes do sistema fonográfico. O público precisava se identificar com o artista em nível mais pessoal do que apenas musical. Essa popularização da música e sensualização dos artistas fez com que o público almejasse alcançar e fazer parte desse sucesso. Criaram-se as tribos, em que os jovens se vestiam e se comportavam de acordo com a imagem dos seus ídolos. Nos anos de 1950, o rock ‘n’ roll surgiu com essa proposta bastante exacerbada. A imagem da rebeldia muito apelava aos jovens e logo após seu surgimento, o modo de vestir e comportar dos jovens mudaria radicalmente.

A produção em escala industrial de instrumentos musicais e equipamentos de palco barateou esses produtos, fazendo-os cada vez mais disponíveis para o público. Isso fez com que surgisse uma nova categoria, a dos músicos amadores, ou seja, aqueles que aprendiam a tocar as músicas que ouviam nos discos e nas rádios e criavam seus próprios conjuntos musicais para tocar esses estilos pop. O sonho desse músico era ser descoberto por uma grande gravadora e se tornar um rock star. O objetivo não era mais só o fazer musical, mas todo o estilo de vida propagado pela publicidade e assessoria de imagem dos artistas contratados.

Na era analógica, a indústria musical ainda obtinha exclusividade das tecnologias de gravação de som, e os equipamentos que eram disponíveis para o consumidor comum ainda tinham o custo elevado e pouco práticos. A produção independente estava restrita a artistas que de alguma forma conseguissem capital o bastante para isso, ou recebiam algum tipo de financiamento. Durante os anos de 1970, surgiu nos Estados Unidos e na Europa o movimento punk, que propunha acabar com a hegemonia da indústria cultural e ter direito de ser produzido independentemente de sua técnica ou imagem. Essa cultura punk acabou por se popularizar e ser tornar mais um segmento da indústria com o lançamento das bandas principais do movimento por grandes gravadoras multinacionais. Esse fato foi um divisor de águas para os músicos amadores, ou eles se acomodavam e se encaixavam dentro dos padrões punks reestabelecidos e reinventados pela indústria, ou continuavam independentes. Nessa época, as tecnologias de gravação ainda eram acessíveis à população, então o artista que continuava independente não tinha como ter muita visibilidade e nem como registrar sua obra de forma satisfatória.

Porém, a semente havia sido plantada e nos anos de 1980, durante a abertura do regime militar e depois do seu fim, surgiu uma forte cena independente no Brasil com engajamento político. Essas bandas acabavam por serem assinadas por grandes gravadoras e se tornaram grandes sucessos, atendendo a esse mercado de jovens rebeldes.

Nos anos de 1990, com o advento da era digital, com o CD e sua compatibilidade com o PC, a música começou a ser propagada de forma informal pela internet. A invenção do MP3 facilitou a transferência de arquivos de música e houve uma grande crise com o modelo de gravadoras. O CD passou a vender muito menos e as gravadoras cessaram um grande número de contratos e parou de financiar projetos mais arriscados. Isso levou a um grande incentivo à produção independente. Os equipamentos de gravação digital barateavam cada vez mais e isso possibilitou a abertura de pequenas gravadoras independentes (De Marchi, 2006). Essa facilidade de equipamento e a cultura do do-it-yourself proveniente do movimento punk dos anos de 1970 foi um casamento perfeito para o surgimento de uma cultura musical digital que nos anos 2000 ganharia força total.

De acordo com De Marchi (2006), os artistas, insatisfeitos com a aglomeração das gravadoras transnacionais, começaram a investir em comprar equipamento de gravação digital e produzir suas próprias obras. À medida que esses equipamentos foram barateando, aos poucos o consumidor comum começou a adquiri-los. Neste começo de século, as bandas já estão se produzindo, até sem selo nem gravadora. A quantidade de produções independentes aumentou de forma drástica e a publicação na internet serve como veículo propulsor. Diz-se que essa era digital é uma revolução na expressão musical.

A problemática trazida neste texto não é em relação à possibilidade de se gravar e divulgar música na internet. O questionamento é se essa forma de divulgação é de fato um “caminho para o sucesso”. Parece que estamos em processo de transição entre uma era de músico-celebridade, em que as gravadoras detinham os direitos sobre a obra e o indivíduo músico e esta era de total liberdade. Está surgindo um mercado de compra de status de ídolo. As bandas, levadas pelo glamour de “ter um CD”, ter um número de acessos no seu site X, e ter o instrumento musical assinado por seu ídolo, na verdade, se tornaram consumidores do mito do ídolo musical e estão consumindo os produtos lançados pelas empresas de equipamento de gravação (geralmente sub-marcas com fabricação na China). Essa idéia propagada de que o sucesso se faz com o próprio punho e que a escalada ao sucesso é de responsabilidade do artista (uma extensão do individualismo do do-it-yourself) com a venda de equipamentos de palco e gravação, gera um mercado consumidor bastante rentável para essas empresas. Esse mito da celebridade é tão forte, que os artistas hoje se sujeitam a participarem de concursos e festivais que prometem sucesso e projeção das bandas, mas cobram taxas absurdas dos músicos e exigem que levem números irreais de público para o evento e que a banda faça o trabalho de divulgação do evento. Porém, essa divulgação feita por redes sociais de relacionamento e site especializados, em nada contribuem para o tão sonhado sucesso. O controle da grande mídia e das gravadoras ainda é hegemônico e as relações de poder ainda continuam.

No entanto, existem os artistas mais conscientes e os coletivos de bandas que ao invés de tentar emular ou fazer parte da grande indústria cultural e midiática, lutam para reordenar essa indústria. Existe o movimento de se aliar essas pequenas gravadoras independentes e os artistas para criarem seus próprios paradigmas e formas de se auto-sustentar, sem ceder direitos autorias e nem à ilusão de se tornar ídolo pela internet. Os coletivos de bandas independentes estão atuando cada vez mais para agregar as bandas e os músicos para repensarem esse papel de artista comumente propagado pela mídia. O artista independente precisa se informar, e acima de tudo ser empreendedor de sua banda, para não cair em armadilhas como os tais festivais de música. A contracultura está em recriar o papel do artista musical e na reestruturação da indústria musical para se adequar à era digital.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DE MARCHI, Leonardo . Indústria Fonográfica e a Nova Produção Independente: o Futuro da Música Brasileira?. Comunicação, Mídia e Consumo (São Paulo) , v. 03, p. 167-182, 2006.

HORKHEIMER, Max & ADORNO, Theodor. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. Pp. 169 a 214. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002. 364p.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura da era global. Editora UFMG, Belo Horizonte, 2004.

dezembro 10, 2009

Cultura = política(gem)?

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 3:15 am

Estou lendo um maravilhoso texto de George Yúdice que é o segundo capítulo do seu livro A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. O que basicamente estou “capturando” é que tudo é inventado. Quer dizer, eu já tinha chegado nessa conclusão anos atrás, quando numa aula de literatura brasileira o professor mostrou carinhosamente que o amor (aquele de quero ficar com você forever and ever, etc.) é, na verdade, uma grande invenção para justificar a própria instituição do casamento e da unidade familiar, que, por sua vez, seria uma conveniente maneira de melhor controlar a sociedade através da religião católica do perpétuo laço matrimonial. Enfim, podemos expandir essa coisa inventada da humanidade chamada “cultura” e vemos que cultura é qualquer coisa convencionada. Por ser inventada não a retira da realidade, é claro que o inventado amor existe, tanto que supostamente existe uma química no nosso corpo que corre nas veias quando vemos aquele bofe passar. A mesma coisa seria a tal da “cultura”.

De acordo com Alfredo Bosi, cultura vem de cultus que vem de colonos, ou seja, algo que surge da idéia de colheita, colheita lembra agricultura que lembra colônia que lembra civilização. Enfim, o que ele tenta explicar no seu tão famoso capítulo “Colônia, Culto e Cultura” do seu livro Dialética da colonização que essas idéias estão intrinsicamente ligadas, e que têm a raiz na mesma palavra latina.

As políticas culturais são resultados da forma em que fomos colonizados. O que é convencionado como cultura: música, teatro, cinema, poesia, artes plásticas, são artes mais palpáveis e que geram produto passível de ser quantificado e analisado, isso tudo para justificar o investimento e patrocínio. Essa política de que toda manifestação artística necessita de produto final ou resultado final para  cumprir editais ou contrapartida acaba por torná-la  utilitária. O sentido primordial da arte em ser para a vida, imitar a vida, acaba  de certa forma se moldando aos modelos culturais.

Yúdice mostra que o papel da cultura tem sido majoritariamente ser um recurso, bastante útil por sinal, para atrair inúmero investimento. Através do investimento em cultura (museus, acervos, rolos de filme, produção de peças, casas de show) uma certa localidade ganha status e atrai turistas (principalmente as cidades que não contam com “bonitezas” naturais [hence aquela velha histório Rio X SP , Rio tem praia por isso  tem pouco investimento em cultura, e São Paulo é horroroso por isso  a população precisa contemplar belezas não-naturais como arte, cinema, cultura]). Serve também para apaziguar conflitos entre povos e etnias (Afroreggae promove paz no morro, Olodum inclusão social, enfim todas aquelas iniciativas artísticas com compromisso social forte), e (tchan tchan tchan tchan!) abonar os impostos das grandes empresas e multinacionais. Essas empresas   precisam vincular seus nomes em boas causas, por isso investem em cultura, mas só a cultura que lhes interessa e que gere resultados que amplie seu mercado consumidor e/ou possibilite sua expansão. 

A cultura  teria também um importante papel em reafirmar os direitos das minorias e inclui-las na cidadania. Por exemplo, a institucionalização da Feira de São Cristóvão seria a legitimação oficial dos nordestinos no Rio de Janeiro, o funk ser elevado à condição de ritmo brasileiro, o investimento em paradas de orgulho gay, tudo isso mostra que através da legitimação de determinado grupos social através do investimento e reconhecimento de sua cultura, cria-se mais diversidade e auto-estima nos indivíduos. Isso faz com que se abra um amplo leque de produtos culturais consumíveis e investíveis por grandes empresas para o patrocínio.

Ainda tenho que amadurecer isso. Calma .

dezembro 8, 2009

Gritos sinceros e grito cínicos (mengo)

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 1:49 pm

Ontem fui no Arte Jovem, encontrei pessoas queridas e vi coisas inusitadas.

Qual o significado do Arte Jovem para mim? Toda vez que eu vou eu descubro algo novo e vejo algo de diferente. Ontem foi um mini-documentário produzido por eles que mostra como as pessoas não estão preparadas para o coletivo. E percebo que isso se verifica em diversos âmbitos. Me disseram que os luaus na praia estão proibidos. Manifestação coletiva, proibida. Arrastão poético no Campo de São Bento. Rejeição. Nenhuma família supostamente esclarecida viu a importância da poesia  no dia-a-dia.

Acho que o momento símbolo-catalisador da noite foi quando o Bloco do Vigário saiu de dentro do Convés para a rua, e todos seguindo, com cinismo ou não (alguns gritos sinceros de MENGOOOO e outros de sacanagem) , manifestação coletiva. Isso tudo foi momentaneamente interrompido com a subida de um 4X4 blindado, super ar-condicionado, insulfilme, quebrando a galera no meio. Não que o cara dentro do carro estivesse puto com isso, mas o carro dele mostra o total isolamento e também fortificação desse indivíduo, cortando no meio uma multidão unida.

Acredito que pequenas revoluções acontecem  no dia-a-dia, basta a gente não ter medo do coletivo, de se conectar,  se unir, e olhar no olho do outro. A idéia maluca de  um pode ser uma pequena revolução para o outro. Seu pensamento surtado pode ser considerado arte para muitos. Basta pensar no outro.

Cultura não é instituição, nem abono de imposto, nem programa social, nem indicador de desenvolvimento, nem dever do Estado. Cultura é a relação humana, nossas construções e acima de tudo o coletivo. Pois  sem coletivo, a cultura não tem voz.

dezembro 5, 2009

Mas isso sempre foi assim, não é?

Filed under: Uncategorized — ericaalves @ 4:16 pm

É engraçado como que as pessoas conseguem “desbancar” você e fazer você se sentir idiota com tão oucas e simples palavras. É como se ter vontade de mudança fosse algo inútil e uma grande perda de tempo. Essa simples frase mostra como estamos sujeitos a uma ordem que é supostamente imutável, e tão certa quanto comer arroz e feijão.

É claro que eu sei que as coisas “sempre foram assim”. Mas será que sempre foi assim mesmo? Será que nunca houve alguém que quisesse mudar isso e conseguiu? Será que não existem as exceções? Sei que estou sendo idealista clichê com esse papo de querer mudanças, e sei que falar é fácil. Mas é muito mais fácil simplesmente se contentar com “as coisas sempre foram assim”.

Estou propondo uma coisa que vai além desse “sempre foi assim”. É meio que e daí? Sempre foi assim para aqueles que acreditam que por esse meio se consegue algo. Como se seguindo as regrinhas mágicas  tais, ditas pelo mercado, os artistas vão chegar a algum lugar. Estou fazendo diferente.

Está na hora de apropriar-nos das tecnologias para fazer a arte do nosso jeito. Estabelecer nosso próprio padrão, seguir as nossas vontades, mas com empreendedorismo e inteligência. Com consciência das etapas de produção, sabendo executá-las. O artista precisa ser político, mas não político PC do B, político no sentido de fazer a sua arte acontecer pelas próprias mãos, e lutar contra a suposta ordem lógica do “sucesso”.

Pé na bunda dos produtores.

Older Posts »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.